27 November 2012

JESUS E O REINO DE DEUS - JESUS AND GOD'S KINGDOM


JESUS

Jesus não somente nos ensinou como deve viver o Cristão do Reino de Deus, Ele mesmo viveu de acordo com os seus princípios deixando-nos uma viva representação da vida do Reino. Deus escolheu o momento perfeito para enviar o Seu Filho à Terra, escolheu um momento que servisse para ilustrar precisamente as mesmas coisas que Jesus estaria ensinando.

Para apreciarmos o cronograma de Deus,  primeiro temos que compreender o contexto histórico anterior ao nascimento de Jesus. A maioria de nós lembra que os hebreus estiveram cativos e exilados na Babilônia. Depois que os persas derrotaram o reino da Babilônia, um remanescente dos hebreus regressou à Judeia e reconstruiu o templo, mas eles não eram uma nação independente. Os persas continuaram governando-os por mais de duzentos anos.

Porém, no ano 335 a.C., os  gregos derrotaram os persas e tornaram-se os novos dominadores dos hebreus. Finalmente, no ano 142 a.C., sob o reinado de Simão Macabeu, os hebreus obtiveram sua  independência. Pela primeira vez, desde o cativeiro babilônico, eles já não teriam que se submeter a nenhum rei estrangeiro.

Enquanto os hebreus lutavam contra os gregos, gradualmente Roma foi ascendendo até se tornar a potência mundial dominante. Como a Grécia era inimiga comum de Roma e da Judeia, os hebreus assinaram um tratado de amizade com os romanos. Neste tratado, Roma afirmava que a Judeia era uma nação independente e advertia aos gregos que não tentassem reconquistá-la.

romanos

Apesar deste tratado, no ano 66 a.C., os romanos tomaram o comando da Judeia, e cedo começaram a cobrar pesados impostos aos hebreus. E para que serviam esses impostos? Para beneficiá-los? Não! Os impostos serviam para apoiar os mesmos exércitos que os mantinham subjugados.

Os hebreus tinham sido um povo livre durante mais de setenta e cinco anos e não se submeteriam a Roma pacificamente. De maneira que, quando Jesus nasceu, o fervor nacionalista era muito intenso. Na realidade, até Jesus chegar à sua idade adulta, já tinha havido vários motins contra os romanos. Mas Roma reprimira brutalmente a cada um.

No entanto, nem todos os hebreus odiavam os romanos. Na verdade alguns se beneficiavam de Roma. Isto se deveu ao fato de que os romanos não arrecadavam pessoalmente os tributos que eles impunham, em vez disso encarregavam o trabalho a outros hebreus.

Eles conheciam os truques que seus concidadãos poderiam usar para sonegar os impostos. Além disso, viviam no meio deles e sabia o que estava acontecendo, quem estava prosperando e quem não. Traidores! Renegados! Os hebreus detestavam os homens que serviam como cobradores de impostos para os desprezíveis romanos.

"Esperem só até conseguirmos a nossa independência e depois iremos pendurá-los nas forcas mais altas", sem dúvida assim pensava a maioria dos hebreus daquele tempo. Logicamente, a maior parte da nação da Judeia ansiava impaciente a vinda do Messias prometido.

Eles acreditavam firmemente que o Messias, sem dúvida, conduziria a uma batalha vitoriosa contra Roma. Se a família Macabeu fora capaz de derrotar os gregos, quanto mais não poderia o Messias derrotar os romanos! Mas é nesse tempo que chega o filho de um carpinteiro. O filho se chama Jesus, e diz aos hebreus que amem a seus inimigos. Amar os romanos? Isso é quase traição!

E o que dizer disto: "Se um soldado romano ordenar-te que leves sua carga por uma milha, vai com ele duas". Isso não somente é uma traição, mas também uma loucura! Pagar todos os impostos pesados que César exigir? Sem dúvida, este não pode ser o tão esperado Messias.

jesus

Se alguma vez houve um momento e um lugar em que um país precisou de um patriota, foi exatamente na Judeia do primeiro século. Os romanos não tinham direito legal de estarem na Judeia e a única maneira de expulsá-los seria com a espada. Para seus concidadãos, Jesus era um traidor. Não só porque não se unia a sua causa mas também porque tratava os romanos como amigos.

Por que Jesus não ajudou os judeus em sua luta pela independência? Porque Ele era simplesmente um estrangeiro aqui na Terra. Ele vivia na Judeia, mas sua cidadania estava no Reino de Deus. Diante do Reino de Deus, os assuntos nacionais eram irrelevantes.

Que sentido teria para o Reino de Deus se os hebreus obtivessem a independência de Roma? As lutas pelo poder terrestre e a independência terrestre não fazem sentido na esfera do Eterno. O patriotismo terrestre não tem lugar no Reino de Deus. Alguns afirmam que não se envolveu na luta pela independência, porque ele tinha vindo para dar a sua vida em resgate do gênero humano. Mas se este fosse o caso, sem dúvida seus discípulos, que eram quase todos hebreus estariam estreitamente engajados nesta luta.

No entanto, os discípulos de Jesus não fizeram caso da luta, tal como Jesus pregou. Na realidade, a partir da leitura do livro de Atos e das estolas, nunca se perceberá que havia alguma rebelião. As epístolas nunca a mencionaram, mesmo sendo a maioria dos escritores do Novo Testamento. Isso demonstra como foi irrelevante para o Reino de Deus a luta pela independência hebraica.

A história demonstra que os hebreus que se tornaram os primeiros Cristãos não uniram-se à luta pela independência, ao contrário, os primeiros Cristãos abandonaram Jerusalém logo depoisEles foram para a cidade de Pella, fora da Judeia. Os primeiros Cristãos não eram patriotas, nem se importavam como a Judeia era governada pelos romanos, já que não tinham interesse em promover nenhum reino terrestre!

Soa um tanto antipatriótico, não? Mas o lema dos discípulos de Jesus não foi "Deus e a pátria". Seu lema foi "Deus ou a pátria!" O coração de uma pessoa está completamente dedicado ao Reino de Deus ou, caso contrário, está dedicado aos reinos deste mundo. Não podemos ter um coração dividido ou servir a dois senhores. O amor à pátria que os primeiros Cristãos do primeiro século tinham pela Judeia foi transferido para o reino de Deus. O mesmo aconteceu com os primeiros Cristãos romanos.

JESUS CRISTO NÃO ERA JUDEU

0 comentários:

Post a Comment