16 August 2013

AS MULHERES, A FORÇA DO CRISTIANISMO - WOMEN, THE STRENGTH OF CHRISTIANITY - 2ª PARTE

WOMEN-STRENGTH-OF-CHRISTIANITY

No entanto, todas as variantes do Cristianismo antigo que defendiam a legitimidade da liderança das mulheres foram consideradas heréticas, e as evidências desta liderança foram suprimidas da história. Os Evangelhos foram alterados, pois as mulheres não deveriam ser reconhecidas como apóstolos de Jesus. A palavra "apóstolo" significa ser um divulgador dos ensinamentos de Jesus, um missionário muito abnegado. Está claro que as várias pioneiras Cristãs mereciam esta denominação! Mas os editores, os tradutores e revisores bíblicos transformaram os personagens femininos em homens, e a História do Cristianismo foi reescrita.

No quarto século, teólogos Cristãos associaram o nome de Maria Madalena ao relato do texto do evangelista Lucas, onde uma pecadora desconhecida lava os pés de Jesus. Uma vez que esta falsa identificação foi oportunamente preservada, Maria Madalena passou a ser associada a cada mulher pecadora dos Evangelhos, como a adúltera descrita pelo evangelista João. Assim, transformaram Maria Madalena, um apóstolo, uma profetiza e professora Cristã na prostituta arrependida salva do apedrejamento.

Esta ficção foi criada no Evangelho para minar o conhecimento da presença feminina como uma autoridade apostólica, e excluir a pretensão das mulheres aos cargos de liderança futuros. Mas a eliminação formal do papel das mulheres na liderança Cristã não apagou sua participação histórica real e a grande contribuição para a Cristandade, embora tenha danificado seriamente o potencial das mulheres para contribuir na educação Cristã dos nossos dias. Impressionante foi que muitas evidências sobreviveram às tentativas sistemáticas de se apagar esta liderança na história Cristã!

Por outro lado, devido em grande parte à veneração ao celibato, nem todos os Cristãos da Igreja pré-constantiniana aceitaram a realidade da liderança feminina. O celibato era fruto do desdém grego para com as mulheres e do desejo do Cristianismo de se distanciar da promiscuidade dos pagãos. A morte dos apóstolos também encerrou o período da autoridade das primeiras e únicas testemunhas dos ensinamentos de Jesus. Assim, a cultura secular greco-romana começou a permear a Cristandade com um impacto crescente e implacável.

WOMEN-STRENGTH-OF-CHRISTIANITY

Nos primeiros séculos da era Cristã, mulheres virgens compunham uma parte do clero, sendo muito respeitadas na época. Elas ocupavam lugares específicos nas Igrejas e não usavam o véu como as outras mulheres, como uma forma de reconhecimento por terem dedicado suas vidas a Deus. Tertuliano, um teólogo do século III, com seu profundo desprezo greco-romano para com as mulheres e contra qualquer manifestação de uma liderança feminina, insistiu que a estas virgens não deveria ser concedida qualquer honra e, consequentemente, deveriam usar seus véus na Igreja e perder seu direito ao espaço privado durante a celebração da Santa Missa.

Em 313 d.C., a auto-inclusão do imperador Constantino na fé Cristã e a consequente legalização da religião Cristã pelo Edito de Milão, catapultou o Cristianismo para a esfera governamental. Assim, a autoridade bíblica deu lugar à vontade do imperador, com suas ambições políticas e discernimento falho. Como consequência natural deste processo e da sociedade secular e greco-romana, foi consenso generalizado de que o papel das mulheres como líderes eclesiásticos era absolutamente inaceitável.

Assim, qualquer benefício concedido às mulheres nos primeiros séculos desapareceu por completo. As novas autoridades da Igreja, como Tertuliano, Orígenes, Crisóstomo, Jerônimo e Agostinho enfatizaram a inferioridade e subordinação das mulheres aos homens, influenciados pelas idéias misóginas e endêmicas das sociedades greco-romanas clássicas. As idéias destes novos teólogos foram acrescentadas ao Novo Testamento e, a partir daí, as mulheres começariam a sofrer de diversas maneiras. No entanto, a história demonstra que a campanha para expulsar as mulheres do ministério, que começou no terceiro século até a transição para a legislação eclesiástica no quarto século, não convenceu as mulheres a aceitarem facilmente este banimento.

Podemos constatar que, ao longo dos séculos, a Igreja teve que impor repetidamente suas legislações contra as pretensas mulheres líderes e castigá-las com as medidas disciplinares habituais de excomunhão por heresia. A persistência contínua das mulheres no cumprimento do seu dever Cristão de atender ao chamado de Deus continuou, e o ataque contra elas aumentou e ultrapassou os limites da moralidade.

WOMEN-STRENGTH-OF-CHRISTIANITY

Agora o sexo feminino já não era meramente impróprio para exercer qualquer liderança, mas as próprias mulheres tornaram-se o pecado personificado. Teólogos argumentaram que se a mulher não tivesse sido criada, o homem não teria pecado. Desta forma, a Igreja determinou que se a mulher não tivesse pecado, o homem "irrepreensível" ainda estaria se "divertindo" no jardim do Éden em perfeita harmonia com Deus. Numa atitude desmesurada foi instituído que as mulheres menstruadas não poderiam mais aproximar-se do altar, pois o corpo da mulher tinha o poder de poluir. Mais uma vez os costumes judaicos e de uma sociedade arcaica impactaram a fundo o Cristianismo.

A mulher seria considerada impura por 33 dias após o nascimento do filho e teria que dobrar esse tempo após o nascimento de uma filha. A purificação seria necessária para que uma mulher adentrasse em uma Igreja Cristã. A menstruação foi usada para justificar a remoção das mulheres de qualquer posição de responsabilidade ou de liderança. Mitos pagãos, como o que o sangue menstrual tinha poder destrutivo, foram revividos. Temia-se que mulheres menstruadas poderiam até mesmo impedir o amadurecimento de um fruto e causar a morte de plantas, como pregou o bispo Isidoro de Sevilha.

Em face de tal espiral de desprezo não é nenhuma surpresa que a misoginia da época tenha culminado na caça às bruxas do século XII. Muitas vezes, a prova de que uma mulher seria bruxa era o fato de ser uma viúva pobre de meia-idade. A estas mulheres era atribuído desde a impotência, infertilidade, doença, morte, até a luxúria do sexo masculino. Elas eram torturadas até confessarem que "voavam durante a noite", matavam e comiam bebês, roubavam os pênis dos homens, foram impregnadas pelo diabo, etc. A bruxomania atingiu seu auge em 1492, quando a cidade européia de Langendorf declarou que apenas duas mulheres de toda aldeia não eram feiticeiras.

Estima-se que mais de um milhão de mulheres, acusadas de praticarem feitiços, foram queimadas vivas nas fogueiras por toda a Europa, e muitas vezes sofrendo atrocidades públicas, como a extirpação dos seios com facas. Convém esclarecer que as sentenças de morte eram promulgadas pelas autoridades laicas das inquisições europeias, e não tinham relação com a Inquisição espanhola ou o Vaticano, que qualificavam as acusadas de bruxaria como pessoas doentes ou loucas. A verdadeira raiz do problema foi, como sempre, a sexualidade feminina.

WOMEN-STRENGTH-OF-CHRISTIANITY

Finalmente, a única opção que restou para as mulheres "participarem" do serviço eclesiástico formal foi no papel de freiras. Sempre destemidas, as mulheres ainda estavam decididas a seguir o chamado de Deus e se reuniram nos mosteiros e conventos, muitas vezes desafiando suas famílias. Infelizmente, tornar-se uma freira era exclusividade das mulheres ricas, devido ao dote substancial para o acesso às Ordens. A massa de mulheres das classes mais baixas teve de se contentar com uma vida dentro dos limites do casamento, o qual era uma instituição da Igreja denunciada na época como uma necessidade infeliz para indivíduos muito fracos e pecadores demais, que não conseguiriam abraçar a vocação maior da carreira eclesiástica.

Devemos sempre ter em vista o fato de que as primeiras mulheres Cristãs prestaram o mais valioso serviço para a Cristandade, divulgando os ensinamentos de Jesus com abnegação e estoicismo apesar de todas as adversidades. Devemos refletir sobre a sua coragem ao aceitar o martírio para serem as testemunhas de Deus por todos os Cristãos. Devemos recordar a sua luta para ministrar os ensinamentos de Jesus, atentando às necessidades alheias e sacrificando seus próprios valores materiais e vida familiar.

A responsabilidade de fazer parte do clero não é o objetivo final dos Cristãos, mas sim alcançar a Glória de Deus. Tanto as mulheres quanto os homens, sejam ordenados ou não, escravos ou livres, ricos ou pobres, de fato qualquer pessoa pode através da obediência aos ensinamentos de Jesus Cristo tornar-se um servo da bondade e do amor ao próximo. Por esta razão, uma carreira eclesiástica não é um requisito para a Salvação Eterna. Jesus deixou isso bem claro quando censurou as autoridades religiosas. Jesus afirmou: "Alegrai-vos, não porque os espíritos se vos submetem, alegrai-vos antes porque os vossos nomes poderão ser escritos nos Céus".

Jesus queria que eles entendessem que o fato de ser um autoridade religiosa não deve encantar suas almas pois não resulta no recebimento da Graça de Deus. Em vez disso, deveriam alegrar-se pela esperança de poder alcançar a Vida Eterna, através de uma vida de renúncia, humildade e respeito aos ensinamentos de Jesus. Este é o milagre do Cristianismo! Qualquer pessoa, em qualquer circunstância e mediante o amor sincero a Deus, está habilitada a compartilhar para sempre da Sua presença por toda a Eternidade.

Em honra à minha mãe.

1ª PARTE

JESUS CRISTO NÃO ERA JUDEU



0 comentários:

Post a Comment