14 June 2014

O ISLÃ E A PEDOFILIA - ISLAM AND PEDOPHILIA

ISLAMIC-PEDOPHILIA

A disseminação da pedofilia islâmica baseia-se no incentivo desta prática por Maomé, o fundador do islamismo. No compêndio islâmico "Sahih Bukhari" pode-se ler o seguinte relato: "Aos seis anos de idade, a menina Aisha Bint Abu Bakr brincava no quintal quando sua mãe alertou-a que, a partir de agora, estava proibida de sair ou brincar pois estava prometida em casamento". Foi desta forma que Aisha foi "tomada" por Maomé, 51 anos de idade, que transformou-a na esposa favorita do seu harém. Em 623 d.C., esta união entre o ancião e a criança foi firmada em Medina, cidade localizada no oeste da Arábia Saudita.

Mas os escritos islâmicos enaltecem as notáveis diferenças entre Aisha e as outras quinze esposas e concubinas do profeta. Aisha foi sua mais jovem esposa e a única a casar-se virgem, e completa: "Mas as primeiras relações íntimas só ocorreram três anos depois!" A razão da longa espera de Maomé para perpetrar seu ato libidinoso não teria sido por conta da pouca idade da criança, mas sim em virtude de uma doença que a menina sofria. Como compensação pelo tempo perdido Maomé foi generoso, permitindo que Aisha levasse os brinquedos para sua tenda no deserto. Aos nove anos de idade Aisha foi finalmente estuprada.

ISLAMIC-PEDOPHILIA

Segundo os textos, Maomé e Aisha costumavam tomar banho juntos e até brincavam com as bonecas. Foi inspirado pela presença da menina que o profeta começou a "receber" a maior parte das revelações e verdades fundamentais que nortearam o islamismo. Os escritos relatam que Maomé gostava de profetizar e divagar com a cabeça recostada no colo da Aisha: "Maomé transpirava abundantemente enquanto ouvia sinos badalando e vozes sussurrando ao seu ouvido". Este primórdio do islamismo forjou toda a maliciosidade que suporta o atual pensamento islâmico.

Um conhecido clérigo muçulmano, o aiatolá Khomeini, discursou sobre a permissividade: "Um homem pode obter prazer sexual de uma criança tão jovem quanto um bebê, entretanto não pode ter relações sexuais. Se sodomizar ou machucar a criança será responsável por ela pelo resto da vida e, como punição, estará proibido de casar com seus familiares. Mas esta criança não será contabilizada como uma das quatro esposas permanentes. As mulheres devem casar bem antes do início da menstruação. O pai que oferecer uma filha bem jovem em casamento terá assegurado um lugar permanente no paraíso (sic)".

ISLAMIC-PEDOPHILIA

Seguindo os conselhos do aiatolá, os pais retiram suas filhas da escola para limitar a interação com garotos da sua idade. Então, estas meninas são vendidas aos pretendentes pelo próprio pai, que busca dinheiro fácil ou um lugar no "paraíso-islâmico". O destino destas crianças não poderia ser mais cruel! Acabam sendo dominadas e espancadas por seus maridos e sogros, totalmente vulneráveis ​​à violência e ao abuso sexual. Algumas destas jovens, quando têm a "sorte" de escapar do sofrimento da vida de mulher casada, acabam na pobreza e compelidas a se prostituirem e, mais uma vez, são submetidas às mais terríveis provações.

Enquanto a mídia exaltava os "guerreiros pela liberdade" da organização terrorista Hamas, o mundo desconhecia o maior caso de pedofilia islâmica já registrado. A sórdida história surgiu do fundo dos esgotos da cidade palestina de Gaza, onde a população é composta por muçulmanos sunitas. São os afamados casamentos coletivos patrocinados pela organização Hamas, realizados com a devida franquia das leis islâmicas, envolvendo crianças de até quatro anos de idade. Nesta ocasião, o Hamas custeou uma cerimônia de casamento em massa para 500 casais. A maioria dos noivos tinha mais de trinta anos e as noivas menos de oito anos de idade.

PEDOFILIA-ISLAMICA

Grandes dignatários muçulmanos, incluindo Abu Mazen, presidente da autoridade palestiniana e líder do Hamas, foram pessoalmente cumprimentar os casais que fizeram parte da cerimônia cuidadosamente planejada. "Nós estamos felizes em dizer ao mundo que não podem nos negar a alegria e a felicidade", discursou Mazen. Os noivos trajavam ternos pretos idênticos, doados pelos administradores de Jabalia, o maior campo de refugiados palestinos da Faixa de Gaza. Cada noivo recebeu de presente do Hamas $500 dólares. Nestas ocasiões é comum os homens estuprarem as meninas antes da cerimônia, pois está de acordo com as leis islâmicas.

De acordo com o relatório do "The Pulitzer Center on Crisis Reporting", as meninas sujeitas aos casamentos precoces são forçadas a engravidar de imediato, o que leva ao óbito a maioria das jovens mães e seus bebês. Esposas púberes são propensas às obstruções durante o parto pois seus corpos não estão desenvolvidos. As estatísticas comprovam que, a cada ano, milhares de meninas muçulmanas morrem por complicações durante e após o parto. As dilacerações vaginais, rupturas internas e transtornos de personalidade fazem parte da vida daquelas que sobreviveram ao jugo da sharia-sexual islâmica.


1 comentários:

Anonymous said...

Corja miserável e corrupta!

Post a Comment