23 October 2014

ROCK E SATANISMO - ROCK AND SATANISM



ROCK-SATANISM

Menos de meio século atrás nossas crianças estudavam violino e piano, aprendendo sobre os grandes compositores clássicos: Bach, Mozart, Beethoven, etc, mas as gravadoras que promovem hoje o satânico "heavy-metal" foram as responsáveis por destruir a herança musical dos compositores clássicos pois, nos últimos 40 anos, a sociedade ocidental encontra-se sob a mira de um plano deliberado de guerra cultural.

Qualquer pai ficaria horrorizado e chocado ao saber o que seus filhos estão ansiosamente ouvindo nas letras do rock, por exemplo: "Nós vamos estuprar sua alma desamparada...transformá-lo em uma criatura impiedosa e fria...forçá-lo a matar o seu irmão...chupar seu sangue e cérebro...triturar carne e osso até que fiquemos loucos...somos pestilentos e legiões demoníacas vão prevalecer...!

Talvez alguns pais pensam em particular: "Ah, se pudéssemos voltar aos bons velhos tempos da música dos Beatles". Mas estas pessoas não suspeitam que foi com aqueles garotos de aparência inocente, os Beatles, onde a maior parte do problema começou.


Entre 1963 e 1964, a fama dos Beatles e dos Rolling Stones foi bem planejada e cronometrada, pois a contracultura baseada no rock foi usada como o gatilho  para o multiculturalismo.



ROCK-SATANISMO

A subida meteórica dos Beatles, sem precedentes na cultura popular e sem rival durante quase quatro décadas, deve-se ao pacto que John Lennon fez com o lado escuro.

O escritor Joseph Niezgoda revela que Lennon era obcecado pelo ocultismo, magia negra, numerologia e em ser maior do que Elvis Presley. Lennon confidenciou ao seu amigo Tony Sheridan que praticava o satanismo e a wicca: ele confrontava e antagonizava quem adorasse Jesus Cristo!


"Nós somos mais populares do que Jesus hoje em dia, e o Cristianismo irá acabar, diminuir e sumir. Eu não preciso de argumentos para provar isso pois estou certo, e será confirmado que estou certo. O Cristianismo não significa nada para mim", concluiu John Lennon.

Mas vamos voltar ao passado, à época do nascimento do rock inglês, para conhecer sua influência na contra-cultura contemporânea e relacionar os fatos; quando aqueles quatro rapazes inocentes de Liverpool estavam começando suas carreiras!

Os Beatles começaram sua jornada musical no final de 1950, tocando em clubes de jazz na Inglaterra e Alemanha Ocidental. Estavam longe de carregar uma imagem de inocência em suas primeiras apresentações, poiss estavam sempre "altos" pelo uso do estimulante Preludin.

ROCK-SATANISMO

Assim relatou um repórter presente ao show: "John Lennon estava espumando pela boca e começou a perder as estribeiras no palco, empinando e rastejando, porque tinha ingerido vários comprimidos de Preludin.

O fato é que o público não conseguia entender nenhuma palavra do que ele cantava, até que John aos gritos de "Sieg Heil" e "Fucking Nazis" provocou o público, que invariavelmente respondia rindo e batendo palmas".

Em Hamburgo, na Alemanha, John sentava na varanda do hotel somente para insultar os fiéis que se encaminhavam para a Igreja de São José. E pior! Ele anexou um contraceptivo cheio de água a uma efígie de Jesus e pendurou-o na varanda, para os fiéis o verem. Em seguida urinou sobre a cabeça de três freiras!

Durante a apresentação dos Beatles na cidade alemã, John Lennon usou uma coleira de cachorro feita de papel adornada com uma cruz do mesmo material. Apresentou também um retrato debochado de Jesus pendurado na cruz usando um par de pantufas (chinelo acolchoado para os pés).

Aleister-Crowley

Os Beatles lançaram o álbum "Sargeant Pepper Lonely Hearts Club Band" em honra ao satanista Aleister Crowley: foi lançado vinte anos após a morte de Crowley e a canção título dizia que "Há vinte anos...etc".

A capa do LP apresentava uma foto de Crowley e  a música "Lucy in the Sky with Diamonds" (LSD) promovia a utilização de drogas psicodélicas na versão fantasiosa de uma viagem sob o efeito do ácido lisérgico.

Um mês após o lançamento do álbum que tornou-se um best-seller, os Beatles chocaram o mundo ao anunciar publicamente que faziam uso regularmente do alucinógeno LSD.

Em uma entrevista à revista Life Paul McCartney disse: "O LSD abriu meus olhos, pois usamos somente um décimo de nosso cérebro". Os Beatles também apelaram publicamente para a legalização da maconha. Agora o gato estava fora do saco!

Os denominados "astros do rock" são simples marionetes submersas num esquema oculto e muito maior do que podemos imaginar. A partir do momento em que recebem seus primeiros direitos de gravação, os grupos são fortemente imersos no universo das drogas pesadas. Por exemplo: John Lennon dos Beatles e Keith Richard dos Rolling Stones, entre outros, eram fortemente viciados em heroína.

ROCK-SATANISM

Mas o crédito para a origem do satânico "heavy-metal" vai para o grupo inglês Rolling Stones, que lançou os álbuns "Simpathy for the Devil" e "Their Satanic Majesties Request": eles celebravam abertamente o culto à satanás!

Os Stones, "rebeldes e maltrapilhos", foram amplamente anunciados como a contrapartida dos Beatles, "os bons-moços de terninho". Embora aparentemente concorrentes eles eram apenas os dois lados da mesma operação em nome do multiculturalismo!

O plano agora era usar tanto os Beatles quanto os Rolling Stones para transformar toda uma geração em "pagãos seguidores da Nova Era". Estes poderiam moldar o futuro escopo do movimento satânico para depois implantá-lo nas escolas através das lideranças políticas!

Em 2014, uma comissão encarregada de investigar a influência do ocultismo relatou que metade dos estudantes ingleses já teve contato com as práticas do satanismo. Atualmente, nos shows de "heavy-metal", pode-se ouvir as letras das músicas exortando o estupro e o assassinato em nome de satanás!

ROCK-SATANISMO

Mas voltemos ao passado, quando a gravadora EMI era uma das maiores produtoras musicais da Europa, para entendermos como a promoção dos Beatles foi fundamental neste atual futuro sombrio. O rock dos anos 60 foi um empreendimento da inteligência britânica!

A EMI era liderada pelo aristocrata Sir Joseph Lockwood, um importante membro da inteligência militar britânica, que controlava a publicidade, tours, gravações e os principais grupos de rock através da oferta de drogas, parcerias sexuais e ameaças de violência: inclusive assassinando os dissidentes.

O ano de 1967 marcou uma escalada significativa na guerra cultural contra a juventude nos Estados Unidos, implementada pelos shows ao ar livre. Nos dois anos que se seguiram, 10 milhões de jovens participaram destes festivais de rock, tornando-se vítimas da experimentação de drogas em larga escala.


ROCK-SATANISM

Drogas alucinógenas como o PCP, STP e LSD, eram distribuídas livremente nesses concertos ao ar livre: como Monterey e Woodstock. Foi assim que milhões de jovens involuntariamente tornaram-se os futuros mensageiros e promotores da nova guerra cultural  movida pelas drogas: futuramente qualificada como a Nova Era.

O primeiro festival de rock, "The First Annual Monterey Internacional Pop Festival", teve a participação de mais de 500.000 jovens. O propósito real do Monterey Pop foi a distribuição generalizada de novos tipos de drogas alucinógenas.

Assim, no início dos anos sessenta, a primeira experimentação com o ácido lisérgico (LSD) foi imposta a uma população de controle por uma força-tarefa conjunta composta pela CIA e pela inteligência britânica, parte da rede de experimentos de codinome MK- Ultra.

Um dos organizadores do festival de Monterey foi John Phillips, membro do grupo de rock "The Mammas and the Papas": um traficante estreitamente ligado à rede de satanistas que orbitava em torno de Charles Manson.

ROCK-SATANISMO

Phillips nomeou um conselho para promover e financiar o concerto, formado por agentes da inteligência britânica e satanistas de renome. O conselho incluía Andrew Oldham, agente dos Rolling Stones, Mick Jagger, Paul McCartney e o produtor de discos Terry Melcher.

Charles Manson tem sido retratado como um psicótico solitário com poder hipnótico sobre sua "família". Mas, na realidade, Manson era bem conhecido de toda a rede de atores de Hollywood, promotores e astros do rock. Era o fornecedor oficial de parceiros sexuais  e todos os tipos de drogas para esta elite.

A primeira vez que uma audiência norte-americana foi exposta aos grupos britânicos abertamente demoníacos foi no festival de Monterey. Na conclusão da sua apresentação, num frenesi enlouquecido pelas drogas, a banda "The Who", destruiu todas as guitarras, amplificadores e tambores, o que tornou-se a máxima do grupo.

No palco, um muito doidão Hendrix simulava o ato da masturbação com sua guitarra, executando um solo em níveis de volume ensurdecedores. Durante o enorme uso de drogas no festival, a maconha era distribuída gratuitamente. A polícia não realizou prisões, definindo um precedente para os futuros concertos ao ar livre.

ROCK-SATANISM

Mas havia um esquema maior, oculto, trabalhando de forma sigilosa. O esquema envolvia o MK-Ultra, da CIA, e a utilização dos satanistas que orbitavam ao redor de Phillips, juntamente com Ken Kesey e Timothy Leary

O plano e o objetivo final era transformar as proximidades de São Francisco em um "antro satanista" para promover o recrutamento em massa: pervertendo os adolescentes incautos.

Timothy Leary, um psicólogo da Universidade Harvard, Massachusetts, era uma espécie de guru nos anos 60. Leary pregava que a iluminação espiritual só poderia ser obtida com o uso do alucinógeno LSD. Leary acreditava que estava seguindo a obra do satanista Crowley.

"Eu fui um admirador de Aleister Crowley e eu estou divulgando muito bem o trabalho que ele começou há anos. Acho que sua declaraçãoi: "faze o que tu queres e deverá ser o todo da lei", foi muito poderosa. Lamento que ele não esteja por perto para apreciar as glórias que iniciou", afirma Timothy Leary.

ROCK-SATANISM

O maior concerto após Monterey Pop foi o "Woodstock Music and Art Fair", que a revista "Time" celebrou como o maior acontecimento da história. Em Woodstock, uma pequena cidade no interior de Nova York, um milhão de jovens reuniram-se em um fazenda para serem drogados e expostos a uma lavagem cerebral programada.

As vítimas deste segundo experimento foram isoladas e imersas na imundície total! Foram bombeadas constantemente com diversas drogas psicodélicas que as mantiveram acordadas por três dias seguidos, tudo com a total cumplicidade do FBI e de oficiais do governo americano.

A segurança foi fornecida por uma comunidade hippie treinada na distribuição em massa de LSD. Mais uma vez, as redes de inteligência britânica seriam os controladores do "espetáculo". O cérebro por trás de Woodstock foi Artie Kornfeld, diretor da Capitol, a subsidiária da EMI Records.

ROCK-SATANISM

O financiamento ficou a cargo de John Roberts, herdeiro da empresa farmacêutica Sandoz, na Pensilvânia. Foi a matriz Sandoz Laboratories, com sede na Suíça, que sintetizou pela primeira vez o LSD. John Roberts foi acusado de drogar e usar como cobaias os adolescentes participantes do festival de Woodstock!

Em 1985, o jornal Nova Solidariedade, forçosamente fechado pelo governo federal americano, conduziu uma entrevista com Hezekiah Ben Aaron, membro do terceiro escalão da igreja de satanás.

Na entrevista, Aaron revelou que sua igreja "iniciou" vários grupos de rock "heavy-metal": Black Sabbath, The Blue Oyster Cult, The Who, Ozzy Osbourne e muitos outros.

Esta "igreja de satanás" era liderada na época por Anton LaVey que era o homem de frente para o verdadeiro sumo sacerdote, Kenneth Anger, o qual recrutou os Rolling Stones para o satanismo e ocultismo.


ROCK-SATANISM

Segue um trecho do depoimento de Anton LaVey: "Eu estava trabalhando para a igreja de satanás, mas tinha outros intermediários envolvidos no recrutamento. Havia agentes envolvidos com a Apple, a empresa dos Beatles, a Warner Brothers e outras gravadoras. As pessoas simplesmente vinham a mim e perguntavam se estaria interessado em patrocinar um grupo de rock. Eu dizia que iria dar uma olhada".

O roqueiro Ozzy Osbourne consagrou o satanista Aleister Crowley como "o fenômeno do seu tempo", e até gravou uma canção de tributo aos seus feitos. Ozzy, conhecido por seus atos incontroláveis ​​e violentos confessou em uma entrevista:

"Realmente gostaria de saber por que tenho feito algumas das coisas que fiz ao longo dos anos. Eu não sei se sou um meio para alguns. Seja o que for, francamente eu espero que não seja o que eu acho que sou, um servo de satanás", completa Ozzy.

ROCK-SATANISM

Jim Morrison, o astro do grupo de rock "The Doors", estava profundamente envolvido no ocultismo. Morrison casou-se em uma cerimônia wicca, um culto neopagão voltado para a magia negra e o satanismo, pisando em um pentagrama e bebendo o sangue da sua consorte.

A contracapa do álbum "13", mostra o grupo "The Doors" reunido em torno do busto do satanista Aleister Crowley. Morrison admitiu que satanás era a fonte de sua música: "Eu conheci o espírito da música numa aparição do diabo em um canal de Veneza. Eu vi satã movendo-se ao meu lado!"

Raymond Daniel Manzarek, tecladista da banda "The Doors", comenta sobre Morrison: "Ele estava possuído! Quando estava hospedado no Chateau Marmont, passou noites selvagens com sua acompanhante, amanhecendo em um emaranhado de lençóis ensanguentados após compartilharem taças de sangue um do outro".

A inclusão da ideologia marxista na juventude caminha paralelamente aos cultos satanistas, mesmo que na superfície não se perceba qualquer ligação. Mas o ser humano precisa ter, e sempre terá, alguma crença, religião ou fé.

Se não aceitar Jesus Cristo o homem terá a religião de satanás, que perseguirá até o fim os que não o adoram. "Há um caminho que ao homem parece direito, mas no fim dele estão os caminhos da morte".

2 comentários:

Anonymous said...

Matéria elucidativa, nunca imginei que fosse assim.

Anonymous said...

Claramente houve muita manipulação acobertada por ideais simplistas e aparentemente inócuos. Mesmo assim, belos rock-baladas surgiram nos anos 60, enriquecendo o estilo musical da época. A conspiração torna-se clara quando topamos com o estilo de música atual, o que sobreviveu à contra-cultura: o rap e toda a porcariada que o acompanha.

Post a Comment