28 October 2016

DESVENDANDO O SEGUNDO ADVENTO DE JESUS - UNVEILING THE SECOND ADVENT OF JESUS

SECOND-ADVENT-OF-JESUS

Muitos afirmam que o Segundo Advento de Jesus ocorreu no primeiro século da Era Cristã, entre os anos 63 a 70 d.C., na época da destruição de Jerusalém e do segundo Templo dos hebreus, evidenciando os sete anos de tribulações das profecias bíblicas. Segundo o historiador romano Josephus, o imperador Titus Flavius manteve o cerco de Jerusalém durante anos, culminando com o ataque arrasador das suas legiões durante a festa do "Pesach", a comemoração da liberdade dos hebreus do seu cativeiro no Egito. Segundo o Êxodo, o tempo que habitaram no Egito foi de quatrocentos e trinta anos.

O historiador Josephus descreve o cerco da cidade: Quando as legiões romanas arremeteram sobre Jerusalém, nada impediu sua furiosidade insana. Os hebreus, agrupados para defender os acessos à cidadela, foram pisoteados e massacrados pela horda de legionários de Tiberius Julius Alexander, o segundo em comando. Muitos tombaram entre as ruínas fumegantes e morreram miseravelmente. A maioria das vítimas era de cidadãos pacíficos, e todos foram mortos quando capturados. Os corpos dos hebreus amontoavam-se por toda a cidade, e dos degraus do Templo vertiam rios de sangue, à medida em que os abrigados no santuário eram abatidos.

Josephus também registrou a presença de sinais proféticos nos anos anteriores à destruição de Jerusalém: Foi um tempo onde guerras e pestilências assolaram a Palestina, e um inusitado terremoto propagou o receio da vinda do ceifador. Os hebreus ansiavam pela chegada do seu messias, um heroico líder que derrubaria o governo romano. O Antigo Testamento ressaltou o poder deste messias: Mostrarei prodígios no Céu e na Terra, sangue, fogo e colunas de fumaça! Mas em vez de trazer uma tempestade de fogo, a Vinda de Jesus Cristo, O Messias, foi como uma suave brisa de ar puro, e os hebreus descrentes perderam o momento mais importante da História.

SECOND-ADVENT-OF-JESUS

Podemos conhecer a natureza fatalista da história dos hebreus ao lermos o Deuteronômio, um dos cinco Livros do Pentateuco: Uma nação virá contra vocês como a águia em mergulho, de aparência feroz, sem respeito pelos idosos nem piedade para com os moços. Ela sitiará suas cidades até que caiam os altos muros fortificados em que vocês confiam. Por causa do sofrimento que o inimigo infligirá durante o cerco, vocês comerão o fruto do próprio ventre, a carne dos seus filhos e filhas. Então, vocês serão espalhados de um lado ao outro da Terra, onde adorarão outros deuses que seus antepassados nunca conheceram.

É fundamental o entendimento de que a proteção de Deus aos hebreus do Antigo Testamento era condicional à obediência e observância das Leis de Deus. Mas a rejeição a Jesus Cristo como o verdadeiro Messias, e Sua condenação pelos escribas talmúdicos e fariseus babilônicos, os edomitas da época de Jesus, foram consideradas uma profanação que revogou o direito destes semitas se autoproclamarem como o povo eleito do Senhor. Assim, os crentes hebreus e gentios, os novos Cristãos que acolheram e difundiram os Ensinamentos de Jesus, tornaram-se os receptores da Vontade de Deus — assim como a população de Cristãos do mundo atual.

A destruição de Jerusalém e do Segundo Templo atendeu às condições proféticas do fim dos tempos! Segundo o historiador Josephus, somente os hebreus-cristãos conseguiram escapar do cerco a Jerusalém, quando refugiaram-se na cidade de Pella, Jordânia, de modo que foram salvos do trágico fim reservado aos não crentes, pois sobreviveram ao vaticínio bíblico. Este episódio endossa a seguinte passagem de Mateus no Novo Testamento: Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro. Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra. Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor.

SEGUNDO-ADVENTO-DE-JESUS

A destruição da antiga Jerusalém foi tão completa e arrasadora que mesmo o registro genealógico dos escribas talmúdicos e fariseus babilônicos foi totalmente destruído! Assim, no lugar do antigo reino mundano dos edomitas surgia um novo Reino fundamentado nos Ensinamentos de Jesus Cristo, constituído pelos Cristãos que acreditavam e habitavam Nele, segundo os escritos de João sobre as Palavras de Jesus: O meu Reino não é deste mundo, e se fosse deste mundo pelejariam os meus discípulos para que eu não fosse entregue aos fariseus. Mas agora o meu Reino não é daqui.

As profecias do fim dos tempos devem ser relacionadas com eventos espirituais e não físicos: Não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade nos lugares celestiais. Jesus não se preocupou em alterar a ordem natural terrena, pois os reinos continuaram a emergir e sucumbir através dos séculos, e as guerras, catástrofes e pestilências ainda assolam a humanidade. Mas ao nível espiritual os fatos são diferentes, pois o poder do mal foi superado e uma nova era de paz teve início.

SEGUNDO-ADVENTO-DE-JESUS

A Segunda Vinda de Jesus Cristo será um evento espiritual. Não precisamos ficar atentos a mudanças políticas dramáticas ou preocupados com guerras e catástrofes, pressupondo que serão indícios que antecederão a Segunda Vinda e a instauração do Reino de Deus, pois este Reino não traz uma localização geográfica! O Reino é delimitado pelo amor nos corações dos homens e pela devoção do ser humano aos desígnios de Deus: O Reino de Deus não virá com aparência exterior, nem dirão, ei-lo aqui ou ei-lo ali, porque o Reino de Deus está entre vós. Os sinais da Segunda Vinda serão as grandes mudanças perceptíveis em nossas vidas!

Jesus não voltará à Terra porque Ele está entre nós como uma manifestação de Deus Pai, a Revelação da Sua Verdade. Jesus afirmou que na Segunda Vinda traria a Revelação da Verdade e confirmou que viria como o Espírito da Verdade: Ainda tenho muitas coisas para lhes dizer, mas vocês não poderiam suportar isso agora. Porém, quando o Espírito da Verdade vier, ele ensinará toda a Verdade a vocês. O Espírito não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que ouviu e anunciará a vocês as coisas que estão para acontecer. Ele vai ficar sabendo o que tenho para dizer, e dirá a vocês. Assim, podemos intuir que o Segundo Advento não aconteceu.

A eternidade dos Ensinamentos de Jesus e a secularidade do Novo Testamento, avançando em direção ao futuro e permeando a mente humana através da História, possibilitará que cada povo, em várias épocas, invoque o benefício particular de sentir-se como um participante do Segundo Advento de Jesus Cristo. A intemporabilidade das Suas Palavras e Ensinamentos permitirá que cada ser humano arrogue o privilégio de ser o protagonista-receptor da Segunda Vinda de Jesus Cristo, mas apenas nas mentes e corações da humanidade, pois Aquele que habita em luz inacessível, a Quem ninguém viu nem poderá ver, a Ele será dada a honra e o poder para todo o sempre.

1 comentários:

Anonymous said...

Os humanos desconfiados vão continuar em guerra. A felicidade será ludibriada pela alegria. A vida no planeta vai continuar pobre, oprimida e doente. A chave da felicidade continuará sendo a santidade. A esperança, a exclusivo critério dos Céus, é uma luz de total não beligerância entre os humanos. O desfecho final quando Deus será tudo em todos e em todas as coisas está em marcha nestes últimos tempos. E este termo de tudo não se dará sem que haja uma última investida de todas as forças e potências do mal. E até lá a carne vai continuar revolta com o espírito. Nesta rebeldia, o secularismo continuará inconsciente, imponente, orgulhoso, prepotente, suntuoso, seduzido pelas tentações de poder e gozo e de consequências trágicas. Naquele tremendo e glorioso dia, porém, não perguntaremos mais nada!...:)

Post a Comment