25 June 2014

UMA CARTA DO FUTURO - A LETTER FROM THE FUTURE


LETTER-FROM-THE-FUTURE

Planeta Terra, 2074 A.D. Acabo de completar 60 anos de idade mas minha aparência é de alguém 30 anos mais velho. Talvez eu seja a pessoa mais idosa desta sociedade, onde a expectativa de vida é de 35 anos. Jovens de 15 anos já apresentam a pele ressecada e enrugada. Sofro de sérios problemas renais porque bebo pouca água, e creio que estou morrendo. Quando eu era criança tudo era muito diferente, com muitas árvores nos parques e bonitos jardins nas casas. Ah, eu podia desfrutar de um banho de chuveiro durante uma hora!

Agora usamos toalhas umedecidas em óleo mineral para limpar a pele. Antes as mulheres mostravam as suas formosas cabeleiras mas, nestes dias, devemos raspar a cabeça para evitar infestações. Meu pai lavava o carro com água que saía da mangueira! Hoje os meninos não acreditam que a água era utilizada desta forma. A roupa é descartável, de plástico barato, o que aumenta enormemente a quantidade de lixo. Tivemos que voltar a usar as fossas sépticas, como no século passado, porque as redes de esgotos não operam sem água.

A aparência da população é deprimente. Corpos desfalecidos, sujos e enrugados pela desidratação, cheios de chagas na pele pela superexposição às radiações solares, já que praticamente inexiste a camada de ozônio que protegia a Terra. Intermináveis regiões desertificadas constituem a única paisagem visível por todos os lugares. As infecções gastrointestinais ou enfermidades da pele e das vias urinárias são as principais causas de morte. O DNA da população foi alterado pelos alimentos transgênicos do passado e, como consequência, há muitas crianças sofrendo mutações ou deformações.

CARTA-DO-FUTURO

A economia entrou em colapso e as indústrias estão paralisadas. O desemprego é dramático, pois as estações dessalinizadoras são a principal fonte de trabalho, mas pagam seus funcionários com água potável em vez de dinheiro. Os assassinatos por uma garrafa de água são comuns entre a população sedenta e são conhecidos como conflito pela água. A comida é sintética, produzida a partir da mistura do xisto betuminoso com algas marinhas. Os cientistas procuraram alternativas viáveis mas, desde que praticamente toda a flora e fauna estão extintas, nada propuseram.

O ar que respiramos também está degradado e poluído, seja pela inexistência de árvores e a contaminação os oceanos, como também pela perda constante do oxigênio molecular para o espaço. Isto contribuiu, além da desnutrição, para o incrível decréscimo do coeficiente intelectual da população mundial. O governo cobra pelo ar que respiramos e quem não pode pagar é retirado das zonas ventiladas, dotadas de insufladores mecânicos movidos a energia solar. Não é um ar de boa qualidade, mas consegue-se sobreviver ao invés de sufocar lentamente nos povoados comunitários.

Em alguns lugares restaram resquícios de vegetação arraigadas em antigos leitos de rios perenes. Estes são fortemente vigiados pelas forças de repressão porque a água é um bem mais cobiçado do que ouro ou pedras preciosas. O sistema de governo é o anarquismo social, e defende o modelo da propriedade coletiva. Não há mais vegetação porque nunca chove e, quando registra-se alguma precipitação, esta é composta por chuva ácida e poluída. As estações do ano foram severamente alteradas pelos vazamentos das usinas nucleares e pelas indústrias poluidoras do século XX.

LETTER-FROM-THE-FUTURE

Recordo-me dos anúncios que pediam para cuidarmos da água como um bem precioso. Mas ninguém se importou, pois pensávamos que a água jamais acabaria. Talvez estivéssemos totalmente absortos em nossas vidas fúteis. Atualmente, todos os rios, barragens, lagoas e mantos aquíferos estão irreversivelmente contaminados ou esgotados. Lembro-me que, no passado, a ingestão de água para manter-me saudável era de 2 litros/dia. Hoje só disponho de meio copo/dia. Advertiram-nos que cuidássemos do meio ambiente visando as gerações futuras, mas ninguém tomou uma ação efetiva. Não deram a mínima atenção!

Quando minha filha pede que eu descreva o passado, tento visualizar, com lágrimas nos olhos, como eram belos os bosques. Descrevo para ela a chuva, as flores, como era agradável tomar banho ou pescar nos rios e barragens. Conto que bebíamos toda a água que quiséssemos e como éramos saudáveis e felizes. Mas ela me pergunta: Papai! Porque a água acabou? Então, sinto um nó na garganta, pois não posso deixar de sentir-me culpado pois pertenço à geração que destruiu o meio ambiente ou que simplesmente não levou em conta tantos avisos.

Agora os nossos filhos e, se for possível para a geração da minha filha, até mesmo nossos netos, pagam e pagarão um preço alto por tudo que fizemos de mal na Terra. Pela omissão e egoísmo para com as gerações futuras. Sinceramente, creio que a vida neste planeta já não será possível dentro de pouco tempo, porque a destruição do meio ambiente chegou a um ponto irreversível. Como gostaria de voltar atrás e fazer com que toda a humanidade compreendesse tudo isto, toda esta tragédia que significará a extinção do ser humano, quando ainda poderíamos ter feito algo para salvar o nosso querido planeta Terra.

Planeta Terra, Anno Domini: 26 de agosto de 2074

2 comentários:

Anonymous said...

Relato realista e comovente do futuro na Terra.

Anonymous said...

O que mais nos espera?

Post a Comment