16 December 2012

FRATURAMENTO HIDRÁULICO, O CRIME PREMEDITADO - FRACKING, THE PREMEDITATED CRIME

fracking

O Brasil vai usar uma técnica proibida, destrutiva e anti-ambiental para extrair gás do xisto, inicialmente nos estados da Bahia e Minas Gerais. Em Minas, onde se localiza o maior complexo hidromineral do mundo, o estrago será avassalador.

Proibido em países europeus e em discussão nos Estados Unidos, o fraturamento hidráulico ou fracking é alvo de polêmica por causa dos danos ambientais decorridos ao se retirar o gás do xisto betuminoso.

As principais preocupações referem-se à contaminação de lençóis freáticos, à degradação da saúde da população e ao aumento da incidência de terremotos.

O fracking altera a composição e a distribuição nos materiais do solo, e os efeitos destas mudanças não são imediatos, pois podem apresentar-se após horas, dias, semanas ou meses após a abertura de um novo poço.

O fraturamento hidráulico ou fracking, é uma técnica para extrair o gás das rochas de xisto, "shale gas". O xisto betuminoso é uma rocha sedimentar formada sob temperaturas e pressões elevadas, contendo matéria orgânica em seu meio mineral.

Basicamente, o processo envolve a injeção de água, areia e produtos químicos sob enorme pressão em um poço, e de pequenas explosões que rompem a zona rochosa de xisto para liberar os depósitos de gás aprisionados.

Desta forma, a rocha fica fraturada e a pressão da "lama" composta de areia, água e químicos, aumenta as fissuras e o gás é liberado. Uma vez extraído o gás, o buraco é preenchido com areia, cascalho e cimentado.

fracking

O estado americano do Arkansas, longe de qualquer zona sísmica, tinha um histórico de zero terremotos. Em 2010 os terremotos foram mais de 600 por ano. E a situação piora com o passar do tempo.

Desde setembro de 2010 até março de 2011 houve 750 sismos na cidade de Greenbier, perto da capital Little Rock. Em 28 de fevereiro de 2011 houve 8 terremotos em 4 horas. Greenbier fica no meio da "Terra do Gás" ou Gasland, uma imensa região alvo do fracking para a extração de gás.

Perto de 100% dos terremotos, desde 2009 até hoje, aconteceram num raio de 6 quilômetros dos poços de gás. Simples coincidência? Após a perfuração começar em Cleburne, Texas, a cidade experimentou mais terremotos em oito meses do que nos 30 anos anteriores combinados.

O descarte da lama ou lodo residual resultante da perfuração através da injeção subterrânea, foi recentemente conectada ao flagelo de mais de 800 dos terremotos em Arkansas.

O relatório geológico americano cita uma "correlação direta" entre os terremotos, os locais de perfuração dos poços e a eliminação de resíduos através da injeção subterrânea.

Estes poços de injeção subterrânea são denominados "poços de reinjeção" e são profundos, 3.000 metros em média. São utilizados para despejar grandes quantidades de lama tóxica resultante das operações de extração do gás.

Após o tremor de terra em 31 de dezembro, as autoridades do Ohio, EUA, decidiram interromper todas as operações de extração, em particular a reinjeção de lama em cinco poços. Segundo os dados oficiais, desde setembro até dezembro de 2011, nestes poços foram injetados 1.000 milhões de litros de produtos químicos nocivos à saúde humana e ambiental.

fraturamento-hidráulico

A extração de gás sofreu uma transformação tecnológica significativa na década de 1990, quando os operadores começaram usar a perfuração horizontal, técnica desenvolvida para a extração de petróleo, combinada com o fraturamento hidráulico.

A nova técnica foi denominada "High Volume Slickwater Hydraulic Fracturing" e vem transformando o escopo geral da extração de gás, desperdiçando quantidades sem precedentes de água e acrescentando enormes quantidades de aditivos químicos durante a perfuração.

Água, areia e produtos químicos, são injetados dentro do poço sob pressão extremamente alta. Os produtos químicos contidos no fluido ou lama injetados no poço, incluem redutores de fricção, surfactantes, inibidores de corrosão, biocidas, estabilizantes e lubrificantes que executam uma série de funções, como prevenir acúmulos no poço e permitir a passagem suave do gás pela rocha.

A areia e o coquetel químico, sob altíssima pressão, são usados para abrir as fissuras criadas na rocha de xisto após explosões programadas, permitindo o livre fluxo do gás liberado. O gás, misturado com restos do fluido injetado no poço, flui para a superfície onde é recuperado para processamento.

Cerca de 50% da lama ou fluido injetados na perfuração permanecerá no subsolo, e outra parte da lama contaminada continuará na superfície, em reservatórios de contenção até 20 ou 30 anos, durante a vida do poço.

Após seu fechamento, a lama tóxica estocada será descartada, terminando o "trabalho" de arruinar o meio-ambiente, contaminando as fontes, os lençois aquíferos e destruindo a saúde da população.

fraturamento-hidráulico

Os requisitos de enormes volumes de água para a perfuração e a poluição inevitável devido aos aditivos químicos e contaminantes, representam uma séria ameaça aos recursos hídricos.

A remoção de bilhões de litros de água das bacias hidrográficas, rios, riachos, lagos e aquíferos subterrâneos que fornecem a água de que todos nós precisamos para sobreviver, é motivo suficiente para fazermos uma pausa e pensarmos sobre a confiabilidade desta prática para extrair gás da rocha de xisto.

Os fluidos excedentes do fraturamento hidráulico são conhecidos por conter inúmeras substâncias tóxicas. Investigações recentes revelaram que as empresas de prospecção estão usando ilegalmente o combustível diesel.

Essas empresas violaram o acordo com as autoridades sobre a proibição do uso de diesel em perfurações nos EUA. O óleo diesel contém benzeno, tolueno, etilbenzeno e xileno, compostos tóxicos denominados BTEX. O benzeno é um carcinogênico conhecido derivado da exposição ao tolueno. Etilbenzeno e xileno podem causar danos ao sistema nervoso central, fígado e rins.

Um relatório do grupo de trabalho ambiental identifica outros destilados de petróleo usados no fraturamento hidráulico semelhantes ao gasóleo, que tem 93 vezes mais benzeno do que o diesel, mas não se enquadram no âmbito de qualquer regulamento.

fraturamento-hidráulico

O fracking é também conhecido por trazer para a superfície os metais pesados e substâncias radioativas das rochas, sob a forma de lama excedente no processo de extração. Em um poço típico, isso poderá equivaler a um volume de 34.000 litros de produtos químicos.

Foram identificados 944 produtos químicos associados ao processo de fraturamento hidráulico, e metade deles tinha sua composição indisponível devido à ocultação das informações liberadas para as autoridades.

Os pesquisadores estabeleceram que os níveis de metano, etano, propano, butano e outros hidrocarbonetos aumentaram de forma preocupante nas reservas naturais de água, nas proximidades dos poços de fraturamento hidráulico, uma situação que abrange 100% das águas subterrâneas nas zonas do fracking.

A inédita ocorrência de terremotos em Minas Gerais é consequência direta da extração do gás do xisto,  utilizando-se a técnica do fraturamento hidráulico. Criminosamente, sem o conhecimento da população, o fracking foi implementado pelo governo federal naquele Estado, assim como em outras regiões do Brasil sujeitas ao extrativismo desenfreado.



0 comentários:

Post a Comment